Tecnologia do Blogger.
RSS

*NINGUÉM*


Jorge morreu na rua.
Muitos curiosos. Um engarrafamento.
A ambulância leva-o para o necrotério.
Durante três dias ficam à espera de um parente,
de um amigo, de um conhecido para identificá-lo.
Ninguém aparece.

Depositam-no na câmara frigorífica.
Que absurdo! Há um frigorífico
para as "pessoas encontradas".
Está lá há quinze dias.
Ninguém comparece.
Numa tarde, levam-no num furgão
para o cemitério,
como um "objeto perdido".

Jorge era um homem
solitário no meio da multidão.
Os homens já o tinham sepultado há muito tempo.

"A Alegria de Viver, de Phil Bosmans, p 9"

  • Digg
  • Del.icio.us
  • StumbleUpon
  • Reddit
  • RSS

1 poemas:

Daniel Savio disse...

Dá para pensar mesmo neste texto, pois temos que valor após a morte?

Temos este valor por aquilo que fizemos, ou obtemos?

Fique com Deus, menina Ana Maria.
Um abraço.

Ocorreu um erro neste gadget