Tecnologia do Blogger.
RSS

Um Exemplo Verídico Para Demonstrar Como Opera o Inconsciente


Talvez eu possa ilustrar meu ponto de vista citando o caso de uma moça, Eleanor,
que encontra uma bolsa com trezentos dólares. Seu primeiro impulso é guardá-la.
Considera-se uma moça de sorte e não tira da cabeça as inúmeras coisas que pode
adquirir com o dinheiro. Isto nada mais é do que o inconsciente de Eleanor
trabalhando. A tentação de ajudarmos nosso sentido de segurança à custa de alguém
é encontrada em todos nós; é uma manifestação do nosso instinto de autopreservação.

Mas Eleanor sente-se atormentada pela sua consciência que lhe murmura aos ouvidos:
"Você precisa devolver a bolsa ao verdadeiro dono. O seu nome e endereço estão escritos na Carteira de Identidade. Como se sentiria se fosse VOCÊ quem tivesse
perdido esta quantia? Você poderia ser feliz sabendo que quem perdeu a bolsa está condenada a sofrer as consequências desse transtorno?

Apesar das dores na consciência, contudo, Eleanor decide guardar a bolsa e gasta
o dinheiro em roupas e frivolidades, desconhecendo o preço que terá de pagar
pela desonestidade.
Seu senso de culpa principia por demonstrar-se na forma de enxaquecas. Eleanor,
porém, jamais suspeitaria de uma conexão entre seus sintomas e a guarda da bolsa.
Irônicamente ela descobre que, indo de médico a médico em busca da causa-raiz
das suas dores de cabeça, despenderá importância maior do que a que encontrara.

Esta é a maneira pela qual a mente trabalha em milhares de casos
de desordens neuróticas.

( Dr. Frank S. Caprio )

  • Digg
  • Del.icio.us
  • StumbleUpon
  • Reddit
  • RSS

4 poemas:

Fernando Santos (Chana) disse...

Olá Ana, belo texto !
Beijos

FERNANDA & POEMAS disse...

Olá Amiga Ana Maria, belíssimo texto e grandes verdades, nele contidas... Bom fim de semana,
Beijinhos de carinho,
Fernandinha

xistosa disse...

FEZ MUITO BEM !!!!!!!!!!!!

O ano passado, na praia, na areia, mesmo á beira do sítio onde o mar beija a areia, encontrei uma carteira com dinheiro e cartões.
Entre os de crédito, estava um, dum centro médico.
Isto foi em Espanha.
Não tinha mais indicações.
Pela Net, consegui entrar em contacto com a empresa de saúde.
Durante 10 dias, ninguém me contactou e antes de me vir embora para Portugal, enviei um e-mail a contar o que se passava.
Pediram-me para entregar na Policia.
No dia 17 de Agosto de 2007, cerca de 7He 30 min, da manhã, entreguei tudo numa esquadra da polícia, em La Manga.

Sei que ficaram com o dinheiro e os cartões e Bilhete de Identidade, devem ter ido para o lixo ...

Nunca mais cinfio em ninguém, (autoridade!)

xistosa disse...

Esqueci-me das desordens neuróticas ... e do que li de Frank Caprio !

Ocorreu um erro neste gadget